Escolha uma Página
E-COMMERCE Grupo Celinho

E-COMMERCE Grupo Celinho

O Grupo Celinho acaba de lançar seu E-COMMERCE! Uma plataforma totalmente modernizada e integrada, onde serão vendidos produtos das lojas físicas e entregues em todo o país. Com ofertas excluídas da plataforma. 

O e-commerce e a logística atende todo território nacional, afim de reforçar a marca pelo por todo o país. Isso se deu principalmente com os avanços tecnológicos e com o aumento das compras online.

Sócio e diretor do Grupo, Silvio Reis, afirma que o e-commerce é uma nova maneira de atingir seu público.

Acesse: www.grupocelinho.com.br

Quanto maior a largura do pneu, maior estabilidade

Quanto maior a largura do pneu, maior estabilidade

Os números 175, 185 e 195 são bem comuns de serem avistados pelas laterais dos pneus. Mas você sabe o que eles significam e quais são suas principais indicações?

Esses números estão relacionados às especificações dos pneus. Dadas em milímetros, são as medidas das larguras. É importante observar que conforme muda a estrutura do pneu, algumas características de dirigibilidade mudam também.

A tendência é de que quanto mais largo o pneu for, mais duro ele será. Quanto maior a largura, maior estabilidade. A escolha de um pneu pelas montadoras é baseada na relação conforto e estabilidade.

A medida ideal para os pneus tem relação direta com as características técnicas do automóvel. Um carro mais pesado requer pneus mais largos. O aumento de potência e torque também justifica maior largura, para que sejam transmitida a força ao solo sem perda de tração.

Neste aspecto, carros de tração traseira ou integral podem usar medidas mais estreitas do que os de tração dianteira e mesma potência. Lembre-se que um pneu com medidas exageradas traz sempre mais desvantagens ao consumidor do que benefícios. Mesmo que o visual fique bacana.

Troca

Por isso, se você for trocar de pneus, preste bem atenção nessas medidas. Algumas montadoras recomendam mais de uma medida para o mesmo carro, mas isso precisa ser consultado no manual do proprietário ou por um especialista.

Fonte: www.terra.com.br

Como conferir óleo do motor?

Como conferir óleo do motor?

Nós vamos mostrar como verificar o nível do óleo do motor, uma coisa que é tão importante para a durabilidade do seu carro, que você mesmo devia ficar atento.

  1. Retire a vareta e limpe a extremidade com o material que não solte fiapos.
  2. Reintroduza, gire para um lado e para o outro e retire mais uma vez.
  3. O nível deve estar entre os riscos de mínimo e máximo. Abaixo do mínimo, nem pensar, porque o seu motor vai ficar sem lubrificação. Mas acima do máximo também não pode. Causa problemas!

Fonte: autopapo.uol.com.br

Mito ou verdade: rodar com o tanque vazio estraga o carro?

Mito ou verdade: rodar com o tanque vazio estraga o carro?

VERDADE

Rodar com pouco combustível diminui sensivelmente a vida útil da bomba de combustível, alguns poderão discordar, porém, depois de tantos anos consertando carros, percebi que em algumas situações a “estatística” fala mais alto que os projetistas. A história se repete, não é porque seu carro possui amortecedores que você vai pegar todos os buracos que encontra pela frente, não é porque o tanque do seu carro possui uma reserva que você andará sempre com pouco combustível. Chegar até a reserva vez ou outra não tem problema, o que estraga a bomba de combustível é viver na reserva, estou falando daquelas pessoas que ficam abastecendo dez ou quinze reais toda vez que ascende a luz indicadora do tanque.

A bomba fica alojada dentro do tanque justamente para que o combustível refrigere o pequeno motor elétrico que está contido dentro dela. Para você entender melhor, quando o motorista vira a chave de ignição, assim que as luzes do painel ascendem, a bomba de combustível do seu carro começa a funcionar, e ela não para, fica mandando combustível para o motor esteja ele funcionando ou não, aquilo que o motor não queima é devolvido para o tanque.

Como você pode perceber esse pequeno motor elétrico trabalha muito e aquece bastante, é por isso que a bomba precisa de pelo menos ¼ de combustível dentro do tanque para resfria-la. Engana-se quem acha que o retorno do combustível refrigera a bomba, primeiro porque a vazão é pequena e o segundo ponto é que o combustível que retorna para tanque recebe parte da caloria do motor e retorna aquecido para o conjunto da bomba.

Além do aquecimento, existem outros vilões dentro do tanque que se aproveitam do nível baixo para estragar sua bomba de combustível, a sujeira acumulada no fundo do tanque entope parcialmente uma pequena peneira que fica na boca da bomba, essa obstrução acaba exigindo mais do motor e com o tempo ele acaba queimando.

O último vilão é o combustível adulterado, esse é o mais difícil de brigar, eu já vi de tudo dentro do tanque, água, solvente, corante, álcool anidro, querosene, areia, graxa, entre outros. Alguns destes produtos se misturam ao combustível, outros acabam se separando e indo para o fundo do tanque e, quanto menos combustível tiver, mais significativos serão os danos causados por essas substâncias nocivas a sua bomba e ao seu motor.

Fonte: g1.globo.com

Aditivo de Combustível

Aditivo de Combustível

Esse produto evita que depósitos de sujeira resultantes do uso do combustível se acumulem no motor, podendo ocasionar obstrução dos injetores, carbonização nas válvulas e na câmara de combustão, assim, interferindo no processo de combustão, fazendo com que o veículo gaste mais combustível e, consequentemente, emita mais gases poluentes o que causa perda de potencia, falha e, em casos extremos, o seu entupimento. Os aditivos para gasolina têm a função de auxiliar na limpeza do motor, o produto ajuda a prevenir o acúmulo de sujeira que se forma naturalmente com a queima do combustível.

Geralmente, a recomendação das montadoras é para que o fluido aditivo seja trocado em intervalos de 30 mil quilômetros ou a cada 12 meses. A razão da escolha entre a quilometragem rodada e o tempo acontece porque, como grande parte dos produtos químicos, o aditivo tem prazo de validade.

Quando fazer a manutenção na suspensão?

Quando fazer a manutenção na suspensão?

Como é difícil definir a vida útil do amortecedor, o risco de ser enganado na sua troca é grande. Para ajudá-lo a não cair em armadilhas, confira abaixo as principais dúvidas que cercam esse item de segurança tão importante no carro.

Quando é hora de trocar?
Não dá para confiar em prazo por quilometragens, pois depende muito do piso por onde roda e do estilo de direção. Há amortecedor que não chega a 50.000 km, há outros que atingem os 150.000 km. Mas a suspensão dá o aviso.

Carro que trepida muito em oscilações da pista ou cuja traseira balança mais que gelatina pode indicar que chegou a hora. Se ao entrar em uma curva parece que o veículo desgarra e joga a traseira, também deve ser culpa do amortecedor. Ruídos toda vez que a suspensão trabalha é outro indício. E, se ao encarar o buraco mais inocente, a suspensão dá final de curso (ouve-se uma batida seca), pode levar o veículo imediatamente  a uma oficina. 

Existe um kit que inclui ainda buchas, parafusos de fixação, coxins e batentes. O amortecedor gasto não implica necessariamente que os outros itens estejam comprometidos e tenham de ser trocados. Especialistas, no entanto, recomendam que se renove o conjunto.

Afinal, já que está mudando o amortecedor, manter coxins e batentes velhos talvez comprometa a vida útil do novo componente no conjunto.

Leia mais em: https://quatrorodas.abril.com.br/auto-servico/manutencao-quando-trocar-o-amortecedor/